O que fazer para sua empresa ser lembrada durante a crise?

 

Essa é a pergunta que mais recebi nos últimos dias e me coloquei à disposição para refletir, divulgar uma resposta assertiva e que possa ajudar tantas empresas nesse momento, desde às micros até as macros. Fato é que estamos vivendo um momento de instabilidade econômica e tensão pelo o que está por vir, já que por conta do isolamento social muitos estabelecimentos tiveram suas portas fechadas, esperando apenas a hora de poder retomar às atividades normais.

E de portas fechadas, o que se imagina é que há muito pouco a fazer. Se não há movimento, não há cliente e não há faturamento. Mas quando tudo isso passar e as portas se abrirem, quem serão as pessoas que vão estar lá para consumir seu produto ou serviço?

Para quem pode recorrer ao delivery (entrega em casa), essa foi a maneira de se manter ativo e fixado no dia a dia de seus consumidores. E mesmo esses, precisam de estratégias específicas para um período tão atípico.

A melhor forma de estar em contato com o seu público é gerando conteúdo e, sempre, através de suas plataformas (sejam elas sites, canais de vídeos ou redes sociais). Gerar conteúdo é o maior trunfo dessa etapa e tem que ser de fluxo contínuo e regular. Compartilhe as mesmas dores que ele está sentindo, porque ele precisa saber que a empresa está do lado dele.

Inclusive, tem um atributo do mercado de luxo que eu sempre falo em meus artigos, treinamentos e palestras: a qualidade. Essa é a hora de usar. Já que vamos gerar conteúdo, nos aproximar ainda mais do nosso cliente, então que seja com muita qualidade. Pense em informações relevantes, que durante da crise (e depois dela) possam ser úteis para serem aplicadas.

Mas você também vai me perguntar que tipo de conteúdo pode estreitar esse relacionamento e eu te respondo que avaliar o cenário atual é fundamental para esse momento. Insisto em falar sobre analisar as dores e amores daqueles que te seguem. Todos nós estamos em casa e se você pode oferecer algo que irá agregar na rotina dele, faça.

Qual o perfil da sua marca e, logo, de seu consumidor? Qual o nicho de interesse dele? É gastronomia, beleza, comportamento? Seus clientes gostam de carro? Que tal dar dicas de como lavar o carro em casa com produtos de fácil acesso? Ele gosta de fotografia? Por que não compartilhar orientações para registrar momentos marcantes da família? Você tem uma loja de roupas ou está dentro da indústria têxtil? Por que não fazer um atendimento online para o seu cliente? Instrui-lo a montar looks, combinações de cores e não necessariamente com as roupas da marca, mas com tudo aquilo que ele tem no guarda roupa. Assim, você se aproxima dele, conhece-o mais profundamente e, com certeza, vai criar uma conexão maior para fidelizar esse cliente futuramente.

Observe que nessa ocasião você vai se apropriar daquilo que falo sempre em minhas mentorias: a importância de conhecer seu cliente a fundo para promover um atendimento cada mais personalizado de acordo com seus interesses. Essa é a hora que você vai poder colocar em prática um estudo tão minucioso de seu segmento.

Sempre acreditei que quanto mais você compartilha, mais você aprende. Estude, busque cursos que explorem aquilo que tem de melhor em você para que possa ser benéfico em seu mercado. Além disso, crie e faça conexões produtivas. Todo o seu conhecimento está com você, agora é a hora de se tornar participativo para que todos apreciem o quanto você tem expertise naquilo que faz e fala.

E mais: algumas propostas digitais estão cada vez mais disseminadas, como por exemplo as “LIVES” (independente da rede social). Convide seus parceiros para fazer debates ao vivo, contando a história de vocês e assim inspirar outras pessoas. Esse é um ótimo exercício para se fazer ativo e lembrado. Pergunte aos seus clientes o que eles gostariam que você compartilhasse e aguarde os feedbacks: com certeza eles irão ensinar muito a você.