Tradição e sabor em busca do mercado de alto padrão

1

O mercado de bebidas vem registrando cada vez mais o crescimento do interesse por destilados considerados nobres. Com forte potencial de expansão na preferência do consumidor, os produtores de cachaça buscam cada vez mais estratégias para elevá-la à categoria premium e, dessa forma, estarem em par de igualdade com whiskies e runs nas melhores prateleiras.

 A bebida vem ganhando sofisticação que vai desde o processo de produção até as embalagens e rótulos que seguem modelos diferenciados, muitas vezes com design exclusivo. Há variadas opções de alta qualidade e extremamente complexas deste destilado tipicamente brasileiro, que contam com diversas camadas de aromas e sabores, capazes de agradar aos paladares mais exigentes. Produzir cachaça, principalmente de maneira artesanal, é uma maneira de investir em um negócio com grande potencial de crescimento.

As cachaças de alambique estão em um processo de namoro com os consumidores das classes A e B. O fato de serem produzidas artesanalmente em propriedades rurais é um grande diferencial na experiência de consumo do produto envelhecido em barris de madeira. Segundo dados da ABRABE – Associação Brasileira de Bebidas – a Cachaça tem apresentado crescimento no mercado internacional, sendo o terceiro maior destilado do mundo. A bebida também ocupa posição de destaque no mercado nacional, no qual o volume corresponde a 50% no segmento de destilados. É o segundo maior mercado de bebidas alcoólicas no Brasil, atrás apenas da cerveja. Reconhecida como tipicamente brasileira, ela se tornou aposta do setor de destilados.

A marca Middas criou um sabor da bebida com o toque especial de ouro 23k

A marca Middas criou um sabor da bebida com o toque especial de ouro 23k

“Para aqueles que já estão posicionados com sua marca dentro do mercado de cachaça, é um bom momento para apostar na diversificação do negócio como uma maneira de aumentar o faturamento. Isso tem acontecido com parte dos fabricantes e tem proporcionado ao consumidor uma melhor experiência com os produtos do segmento”, conta Alexandre Bertin, presidente da Confraria Paulista da Cachaça.

O faturamento do setor alcançou R$5,95 bilhões em 2013, quando foram produzidos 511,54 milhões de litros da bebida, de acordo com o Sistema de Controle da Produção de Bebidas da Receita Federal – SICOBE, responsável por controlar a produção das principais empresas formais do setor.

“Com tantas opções de qualidade, os consumidores terão cada vez mais a possibilidade de melhores experiências sensoriais com a cachaça, já que poderão comprar mais rótulos e descobrir a riqueza dos sabores”, declara Rafael Araujo, fundador da Cachaçaria Nacional.

Segundo informações divulgadas pelo Instituto Brasileiro da Cachaça – IBRAC, as exportações da bebida cresceram 4,62% em valor e 7,87% em volume. Mais de 60 países já consomem o “ouro líquido brasileiro”, especialmente Alemanha, Estados Unidos e Paraguai.

Crédito das imagens: Reprodução.