Os influenciadores digitais e seu impacto no mercado de luxo

Os influenciadores digitais se consolidaram como um fenômeno no mercado atual. Abordando os mais diversos temas e utilizando as mídias sociais como ferramentas para disseminar informação e propaganda, muitos profissionais que atuam na área faturam alto através de sua associação com marcas de prestígio.

Durante o desenvolvimento de um planejamento estratégico de comunicação, por exemplo, é praticamente impossível não esbarrar nessa questão. Mas, deixando de lado justamente a superexposição do tema, é preciso ter cautela no momento de contratar um influenciador digital para marcas e empresas que atuam no mercado de luxo.

Conforme uma matéria publicada no Brazil Journal “as marcas investiram US$ 4,6 bilhões em marketing de influenciadores digitais no ano passado. Mas há muito dinheiro mal gasto. Uma pesquisa da consultoria Influencer Marketing Hub com 800 agências de marketing que trabalham com influenciadores revelou que 2 em cada 3 já caíram no conto de algum influenciador fake”.

Essa questão é ainda mais delicada quando se refere ao segmento de alto padrão, já que a reputação e a imagem de uma marca é o seu ativo de maior valor. Dessa forma, se associar a um influenciador que, de alguma forma, não se enquadra no perfil ou no conceito proposto pela empresa pode trazer sérias consequências.

Além disso, é preciso ter em mente que não existe solução mágica. Um caso recente chamou bastante atenção quando foi identificado que uma influenciadora digital norte-americana, que tinha em seu perfil de seguidores mais de 2,5 milhões de pessoas, não foi capaz de vendar três dezenas de camisetas em uma determinada ação de marketing.

Para as empresas que atuam no mercado brasileiro de alto padrão, algumas agências de comunicação especializadas ganham representatividade e destaque com uma série de estratégias corporativas para promover a imagem de uma marca, humanizando o produto ou serviço com essa aliança através de um influenciador digital.