Entrevista da Semana: conheça Fernando Gurgel, sommelier e consultor da Casa Flora Importadora

Fernando Gurgel começou a trabalhar com bebidas quando ainda morava nos Estados Unidos, em 2001. De volta ao Brasil, em 2005, fez seu curso de extensão universitária de Sommelier em Águas de São Pedro e iniciou sua atuação com vinhos e outras bebidas em um empório no interior. Em seguida desenvolveu sua expertise em uma importadora na cidade de São Paulo e depois em uma multinacional britânica de bebidas, onde se especializou em destilados, se tornando embaixador da Johnnie Walker Blue Label. No final de 2011 ficou à frente da Casa Flora, como embaixador das destilarias Dalmore e Jura, ministrando aulas de whisky na Associação Brasileira de Sommeliers.

Confira abaixo uma entrevista exclusiva em minha coluna com Fernando Gurgel.

 

Hoje você atua como sommelier e consultor da Casa Flora Importadora que tem uma gama extensa de rótulos. Como é sua atuação com cada bebida?

Atualmente, minha função na CF é dar suporte às equipes de vendas, principalmente no On Trade (bares e restaurantes), com elaboração de cartas de vinhos, treinamentos educacionais com as brigadas (garçons, bartenders, sommeliers e maitres), além de degustações com consumidores finais, cursos básicos de vinhos e whiskies e outros suportes à equipe de marketing e eventos.

Quais bebidas podem ser consideradas “de grife”, ou seja, para um paladar elitizado?

Dentro do nosso portfólio, temos várias bebidas de grife, entre vinhos, whiskies e outras categorias. São as chamadas vinícolas ou destilarias “boutique”, que produzem de forma artesanal, em pequenas quantidades e com edições raras, exclusivas e caras que são indicadas para um paladar mais elitizado e talvez mais evoluído.

Como a cachaça ganhou esse reconhecimento de “destilado de grife”?

Algumas cachaças ganharam um reconhecimento de “destilado de grife” a partir do momento que começaram a melhorar a qualidade do destilado e envasar em garrafas com design original, dando um ar de exclusividade, raridade e luxo, o que acontece com a Gouveia Brasil por exemplo.

Quais as melhores harmonizações para um vinho? Vi você falando sobre vinho com churrasco, por exemplo.

Na minha opinião, harmonização pode ser um gosto pessoal, dependendo do paladar de cada um. Apesar de existir algumas regras básicas, o importante é provar e descobrir que o sabor do alimento pode “casar” com o sabor da bebida, sendo ela vinhos ou destilados, sem deixar que um sabor não sobreponha ao outro. Vinho da uva Malbec com churrasco de carne vermelha é um clássico, mas outros vinhos também podem harmonizar perfeitamente, dependendo dos ingredientes do churrasco e o clima do dia, como por exemplo um churrasco de peixe com legumes e um vinho branco da uva chardonnay, em um dia quente.

Quais as principais curiosidades no mundo do vinho que as pessoas desconhecem?

O mundo do vinho está cheio de curiosidades, mas hoje em dia, muita gente participa de degustações e cursos para iniciantes, onde são abordados e esclarecidos várias curiosidades e temas polêmicos como por exemplo a maneira de guardar a garrafa, deitada ou de pé ou os tipos de tampa de rolha de cortiça ou de rosca (screwcap) e também sobre as características dos vinhos da mesma uva que podem ser diferentes, dependendo do local e técnica de produção.

Apreciar uma boa bebida pode ser considerado qualidade de vida? Pelo prazer da experiência?!

Apreciar uma boa bebida, de forma responsável e consciente, sempre foi considerado qualidade de vida. Hoje em dia, quando vamos a um restaurante, não vamos somente comer e beber e sim ter uma “experiência” prazerosa. O mesmo pode acontecer em casa, quando preparamos um jantar especial e abrimos uma garrafa de vinho que estávamos esperando há um tempo pelo momento certo. Temos que dar valor a essas experiências e aproveitar a vida de forma positiva.