Como os comportamentos atuais vão ditar as tendências futuras do mercado?

Tenho falado muito sobre o novo perfil do consumidor que, não necessariamente, vai surgir no futuro. Ele já começa a se apresentar de várias maneiras e, ao longo do tempo, vamos acompanhar esse desenvolvimento de um jeito muito estrutural, a ponto de criar uma nova nomenclatura e um novo grupo de interesse.

O comportamento do novo perfil deverá sempre ser encarado de acordo com o panorama atual que é o de hiperconexão. Ele é hiperconectado, antenado com o mais diversos assuntos, se interessa, se disponibiliza como palco de informação e se conecta automaticamente com pessoas que demonstram personalidades, buscas e objetivos semelhantes.

O “novo normal”, já tão falado e estampado nos principais veículos de comunicação, é o que vai gerir o futuro. O novo normal é de agora e em diante! É onde automaticamente as coisas mais simples, corriqueiras e realistas ganham notoriedade. É essa identificação imediata, que faz parte da realidade, que vai se contextualizar no que o novo perfil vai querer consumir. A ostentação, o “muito” e “demais” deixará de existir. Cada vez mais o “ter” perderá espaço para o “ser”.

O novo comportamento ainda carregará muita responsabilidade social. As marcas que estiverem realmente engajadas nesse setor, sairão na frente. O público levará em conta essa afinidade e que seja de verdade, completamente relacionada à missão e propósito da empresa. O engajamento social não será mais uma estratégia, uma vez que o consumidor saberá identificar a realidade dos fatos. É preciso verdade, naturalidade e habilidade para lidar com isso.

Lembre-se: com as redes sociais o público ganhou voz. Ele tem voz e ele sabe usar esse poder. Ele cobra as marcas, ele espera respostas, ele aguarda posicionamentos. Uma vez que seu consumidor tem voz, você como marca deverá saber como ouvi-lo e estar disposta a se flexibilizar para corresponder com essa expectativa. As mudanças serão sempre bem-vindas, sem deixar de atender à essência de quem você é no mercado.

As parcerias estratégicas estarão a pleno vapor dentro desse novo comportamento. O olhar de competição, de concorrência e rivalidade será muito “velha guarda”. Compartilhar será a palavra de ordem e isso não impede que você se relacione com marcas que estão inseridas no mesmo segmento. Essa é uma forma de fortalecer o setor e mostrar ao seu consumidor que suas portas estão sempre abertas para coparticipar.

Por último, não menos importante, atente-se que as suas estratégias de relacionamento com o consumidor vêm de encontro às experiências. Quando o público-alvo vivencia situações, usufrui de um tempo vantajoso e colhe maior aproveitamento dessa conexão, ele criará uma ligação com o valor e não com o preço.